Categorias de jogo e jogos textuais: uma leitura de O jogo da amarelinha

Tânia Winch Lisbôa, Norberto Perkoski

Resumo


O presente artigo analisa a noção de jogo e de jogos textuais na obra O jogo da amarelinha (no original Rayuela), de Julio Cortázar. Para a efetivação dessa análise foram utilizados, como referencial teórico, os estudos de Johan Huizinga, Roger Caillois e Wolfgang Iser, destacando as quatro categorias de jogo - agôn, alea, mimicry e ilinx - introduzidas por Caillois e readequadas ao texto literário, sob o ponto de vista dos jogos textuais, por Iser. A partir desses conceitos teóricos que evidenciam questões pertinentes ao jogo em geral e aos jogos textuais em particular, considerando-se que esse é um estudo de aplicação, procurou-se evidenciar como essas quatro categorias de jogo se manifestam no texto literário do escritor argentino através dos jogos textuais.

Palavras-chave


jogo, teoria dos jogos, jogos textuais, O jogo da amarelinha, Julio Cortázar

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v37i62.2424

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo