Assistência Técnica e Extensão Rural em assentamentos de reforma agrária: uma análise do monitoramento dos contratos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.12159

Palavras-chave:

Burocracia estatal. Monitoramento. Política pública. Pnater.

Resumo

O presente artigo objetiva analisar o processo de monitoramento dos contratos de assistência técnica e extensão rural (Ater) voltados para os assentamentos de reforma agrária. Para tanto, discute-se o processo de monitoramento desses contratos à luz do arcabouço legal referente à Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Pnater) vigente. Assim, foi realizado um estudo com caráter exploratório baseado em uma pesquisa documental, tomando-se como referência os instrumentos normativos que baseiam o monitoramento da Ater no âmbito dos assentamentos de reforma agrária. Ao analisar os procedimentos operacionais descritos no arcabouço legal, observa-se que o enfoque dado ao monitoramento recai sobre o caráter técnico-instrumental, viabilizador das questões administrativas e financeiras pertinentes à burocracia estatal. São enfatizadas questões mais relacionadas ao controle do cumprimento das exigências administrativas contratuais, em detrimento das informações sobre problemas e/ou desvios que possam afetar/interferir no alcance das metas e resultados esperados. Em que pese todos os avanços da Pnater, as reflexões apontadas permitem inferir que em termos de sua operacionalização ainda prevalece o viés técnico-instrumental. Conceitos e categorias como avaliação, monitoramento e fiscalização estão citados no arcabouço normativo sem nenhuma explicação quanto ao seu significado e conceituação, possibilitando, dessa forma, que sejam utilizados de acordo com os propósitos e as visões de mundo próprias à burocracia institucional vigente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Filipe Augusto Xavier Lima, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Professor Adjunto na área de Extensão e Desenvolvimento Rural, vinculado ao Departamento de Economia Agrícola (DEA) do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Fabiana Pereira de Carvalho, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra)

Especialista em Gestão de Programas de Reforma Agrária e Assentamentos pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Assistente Social do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Eduardo Rodrigues de Sousa Neto, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra)

Mestre em Economia Rural pelo Programa de Pós-Graduação em Economia Rural (PPGER) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Perito Federal Agrário do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Referências

ARRETCHE, M. Tendências no Estudo sobre Avaliação. In: RICO, E. (org.). Avaliação de Políticas: uma questão em debate. São Paulo: Cortez Editora; IEE/PUC/SP, 1998.

BAPTISTA, M. V. Planejamento social: intencionalidade e instrumentação. 2. ed. São Paulo: Veras, 2007.

BOSCHETTI, I. Avaliação de Políticas, Programas e Projetos Sociais. In: Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009.

BRASIL. Lei nº 12.188, de 11 de janeiro de 2010a.

BRASIL. Decreto nº 7.215, de 15 de junho de 2010b.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário, Secretaria de Agricultura Familiar. Política Nacional de ATER – Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília, 2003.

BUVINICH, M. R. Ferramentas para o Monitoramento e Avaliação de Projetos. Cadernos de Políticas Sociais (CSD), nº10, Brasília: 1999.

CAPORAL, F. R. Lei de ATER: exclusão da Agroecologia e outras armadilhas. Revista Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v. 4, n. 1, p. 23-33, set./dez. 2011.

CASTRO, J. A.; OLIVEIRA, M. G. Políticas Públicas e Desenvolvimento. In: MADEIRA, L. M. (org.). Avaliação de Políticas Públicas. Porto Alegre: UFRGS/CEGOV, 2014.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J.; et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

COHEN, E.; FRANCO, R. Avaliação de Projetos Sociais. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

DALBIANCO, V. P.; NEUMANN, P. S. Rumos da Ates no RS: em direção à constituição de um sistema descentralizado?. In: DIESEL, V.; NEUMANN; P. S.; SÁ, V. C. (Orgs.). Extensão Rural no contexto do pluralismo institucional: reflexões a partir dos serviços de Ates aos assentamentos da reforma agrária no RS. Ijuí: Ed. Unijuí, 2012.

DIAS, M. M. As ONGs e a Construção de Alternativas para o Desenvolvimento Rural: Um Estudo a Partir da Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa (AS-PTA). Rio de Janeiro: UFRJ/CPDA, 2004a.

DIAS, M. M. Extensão Rural para Agricultores Assentados: Uma Análise das Boas Intenções Propostas pelo “Serviço de ATES”. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 21, n. 3, p. 499-543, set./dez. 2004b.

DIESEL, V. A construção de consensos sobre o futuro da Extensão Rural nas organizações de cooperação internacional. In: DIESEL, V.; NEUMANN; P. S.; SÁ, V. C. (Orgs.). Extensão Rural no contexto do pluralismo institucional: reflexões a partir dos serviços de Ates aos assentamentos da reforma agrária no RS. Ijuí: Ed. Unijuí, 2012.

DIESEL, V.; DIAS, M. M.; NEUMANN, P. S. Pnater (2004-2014): da concepção à materialização. In: GRISA, C.; SCHNEIDER, S. (Orgs.). Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015.

DUFFY, B. Análise de evidências documentais. In: BELL, J. (Org.). Projeto de pesquisa: guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FAVARETO, A. Paradigmas do Desenvolvimento Rural em Questão. São Paulo: Iglu: FAPESP, 2007.

FURTADO, E.; FURTADO, R. Repercussão da Reforma Agrária no Desenvolvimento Local no Nordeste: a capacitação como uma estratégia imprescindível. In: LEITE, P. S.; et al. (orgs). Reforma Agrária e Desenvolvimento Sustentável. Brasília: Paralelo 15/Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Agrário, 2000.

GOMES, M. F. C. Avaliação de Políticas Sociais e Cidadania: pela ultrapassagem do modelo funcionalista clássico. In: SILVA, M. O. S. (Org.). Avaliação de Políticas e Programas Sociais: teoria e prática. São Paulo: Veras, 2001.

INCRA. Superintendência 11/RS. Projeto Básico visando a licitação para a prestação de serviços de Assessoria Técnica, Social e Ambiental (Ates) e elaboração de PDA ou PRA para as famílias assentadas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Incra/RS, 2008.

INCRA. Portaria INCRA nº 581, de 01 de agosto de 2010a.

INCRA. Nota Técnica INCRA nº 01, de 15 de agosto de 2010b.

INCRA. Nota Técnica Conjunta DD e DA INCRA nº 01, de 06 de maio de 2011.

LOBO, T. Avaliação de Processos e Impactos em Programas Sociais: algumas questões para reflexão. In: RICO, E. (org.). Avaliação de Políticas: uma questão em debate. São Paulo: Cortez Editora; IEE/PUC/SP, 1998.

MADEIRA, L. M. (org.). Avaliação de Políticas Públicas. Porto Alegre: UFRGS/CEGOV, 2014.

MOKATE, K. M. Convertendo um Monstro em Aliado: avaliação como ferramenta de gerência social. 2000. Disponível em http://indes.iadb.org/main.asp. Acesso em 20 de janeiro de 2018.

NEUMANN, P. S.; DALBIANCO, V. P.; ZARNOTT, A. V. A política pública de Extensão Rural em Assentamentos de Reforma Agrária. In: DALBIANCO, V. P. et al. (Orgs.). Uma nova extensão rural pública: a experiência pluralista e descentralizada da Assessoria Técnica, Social e Ambiental (Ates) no estado do Rio Grande do Sul. Ijuí: Ed. Unijuí, 2018.

NEUMANN, P. S.; DALBIANCO, V. P. Reforma Agrária e a atuação do Estado na oferta dos serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural para assentados. In: DIESEL, V.; NEUMANN; P. S.; SÁ, V. C. (Orgs.). Extensão Rural no contexto do pluralismo institucional: reflexões a partir dos serviços de Ates aos assentamentos da reforma agrária no RS. Ijuí: Ed. Unijuí, 2012.

NOGUEIRA, V. M. R. Avaliação e Monitoramento de Políticas e Programas Sociais – revendo conceitos básicos. Revista Katálysis, Florianópolis, v.5, nº02, p. 141-152, jul./dez. 2002.

RIVERA, W. M.; ZIJP, W.; ALEX, G. Contracting for extension: Review of emerging practices. Washington: World Bank, 2000.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F; LUCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SÁ, V. C. et al. Dilemas da terceirização: um olhar sobre a estrutura organizacional da Ates no RS. In: DIESEL, V.; NEUMANN; P. S.; SÁ, V. C. (Orgs.). Extensão Rural no contexto do pluralismo institucional: reflexões a partir dos serviços de Ates aos assentamentos da reforma agrária no RS. Ijuí: Ed. Unijuí, 2012.

SILVA, T. C.; CAPORAL, F. R. Lei de Assistência Técnica e Extensão Rural em Alagoas-Brasil: contribuições ou descontinuidade?. Extensão Rural, Santa Maria, v. 23, n. 2, abr./jun. 2016.

THOMSON; C. R.; BERGAMACO, S. M. P. P.; BORSATTO, S. R. O histórico de criação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (ANATER) e os desafios impostos a sua consolidação na conjuntura política de 2017. Retratos de Assentamentos, Araraquara, v. 20, n. 1, 2017.

WEID, J. M. V. Texto Referência do Campo Agroecológico para a Conferência Nacional de Ater. Rio de Janeiro: FASE, 2011.

ZARNOTT, A. V. et al. Avanços e retrocessos na política de extensão rural brasileira: análise crítica sobre a ANATER. Rev. Fac. Agron. La Plata, v. 116 (Número especial) Extensión Rural, 2017.

Downloads

Publicado

2020-01-10

Como Citar

Lima, F. A. X., Carvalho, F. P. de, & Neto, E. R. de S. (2020). Assistência Técnica e Extensão Rural em assentamentos de reforma agrária: uma análise do monitoramento dos contratos. Redes (St. Cruz Do Sul Online), 25(1), 316-341. https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.12159

Edição

Seção

Artigos