As relações sociais no cultivo da cana-de–açúcar e os novos métodos introduzidos no trabalho – municípios de Mirandópolis, Lavínia e Valparaíso – SP

Sandino Hoff, Isa Maria Formaggio Marques Guerini

Resumo


As relações sociais estabelecidas no cultivo da cana-de-açúcar por meio de novos métodos de trabalho constituíram o objeto desta investigação. A análise objetivou captar a alteração da base técnica no cultivo da cana, mediante o aumento do capital constante e as consequências dessa mudança para o trabalhador rural. O estudo abrangeu a área dos municípios de Mirandópolis, Lavínia e Valparaíso, SP. Os autores principais para a fundamentação da pesquisa foram Alves (2005), Martins (1983), Ianni (1984), Marx (1980) e Lênin (1980). Os instrumentos para levantamento de dados empíricos foram: questionários, aplicados aos trabalhadores das lavouras de cana, aos produtores rurais e aos presidentes de sindicatos; observações em situação de trabalho e captura de imagens fotográficas e do CANASAT. No caso do setor sucroenergético, os resultados evidenciaram o domínio dos oligopólios sobre a terra e sobre a produção. Decorre desse domínio a reorganização do trabalho no mundo rural, como condição do tipo de reprodução do capital. Com a mudança da base técnica, o trabalhador que usava as mãos e ferramentas tradicionais passou a ser operador de máquinas. O movimento do capital no setor sucroenergético influenciou as características do labor rural, a formação de exército de reserva e passou a ditar, também, regras aos produtores independentes que fornecem cana às usinas.

Palavras-chave


Usina Sucroenergética; Instrumentos de Trabalho; Planta Agroindustrial.

Texto completo:

Artigo


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v20i3.4601

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo