Atividade criadora em momento de pandemia: relato de experiência das aulas de língua inglesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/signo.v46i85.15657

Palavras-chave:

Atividade criadora. Ensino-aprendizagem. Língua Inglesa. Transposição didática.

Resumo

Este texto tem por objetivo relatar a experiência de uma professora-pesquisadora nas aulas de língua inglesa em uma universidade, com transposição didática em momento de pandemia. Para tal, descreve-se a proposta de ensino-aprendizagem por meio da Atividade Social: “interview” e se analisa um questionário respondido pelos discentes. Com base na metodologia de pesquisa qualitativa com ênfase no paradigma crítico, a análise dos comentários tecidos pelos alunos centraliza os aspectos enunciativo-discursivo-linguísticos e são interpretados mediante o aporte teórico apresentado. Constatou-se que a proposta de ensino-aprendizagem de língua inglesa por meio da Atividade Social: “interview” configura-se como uma transposição didática com indícios de atividade criadora por apresentar recombinações, possibilitar o desenvolvimento dos alunos e criar algo novo em momento de pandemia.

Biografia do Autor

Daniela Aparecida Vendramini-Zanella, Universidade de Sorocaba

Doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Mestre em Educação pela Universidade de Sorocaba. Atualmente é coordendadora e professora titular do curso de Letras Português e Inglês da Universidade de Sorocaba e leciona disciplinas de ensino-aprendizagem de língua inglesa e literatura estrangeira. Coordena o grupo PIBID - Capes da Uniso, subárea: língua inglesa desde 2014. É líder do grupo de pesquisa: "Formação docente na perspectiva da TASHC e linguagem", inscrito no diretório CNPq e do Projeto de Extensão universitária Tempo de Aprender (2009 - atual). É integrante do grupo de pesquisa LACE – Linguagem e Atividade em Contexto Escolar do LAEL - PUC SP.

Beatriz Oliveira Delboni, Universidade de Sorocaba (bolsista PIBIC-CNPq)

Acadêmica de Licenciatura em Língua Portuguesa, Inglesa e respectivas Literaturas. Bolsista PIBIC-CNPq. Universidade de Sorocaba (UNISO). Sorocaba, São Paulo, Brasil.

Referências

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch; VOLONOCHINOV. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 14 ed. São Paulo: Hucitec, 2010 [1929].

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Os gêneros do discurso (1952-1953). In: Estética da criação verbal. Trad. Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, [1959-1961] 1997, p. 279-327.

CHEVALLARD, Yves; JOHSUA, Marie-Alberte. La transposition didactique: du savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: Pensée Sauvage, 1985.

DELBONI, Beatriz Oliveira; VENDRAMINI-ZANELLA, Daniela Aparecida. O brincar e a atividade no ensino-aprendizagem de língua inglesa em relato de experiência na formação docente. Revista X, Curitiba, v. 14, n. 6, p. 255-271, dez. 2019.

DOLZ, Joaquim; SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita–elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: DOLZ, Joaquim; SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. 240 p. p. 41-70.

ENGESTRÖM, Yrjö. Activity Theory and individual and social transformation. In: Perspective on Activity Theory. Cambridge: Cambridge University Press, v. 19, n. 38, p. 19-30, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. 184 p.

FREITAS, André Ricardo Ribas; NAPIMOGA, Marcelo; DONALISIO, Maria Rita. Análise da gravidade da pandemia de Covid-19. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, p. e2020119, 2020.

GARONCE, Francisco; SANTOS, Gilberto Lacerda. Transposição midiática: da sala de aula convencional para a presencial conectada. Educação & Sociedade, v. 33, n. 121, p. 1003-1017, out/dez. 2012.

GIROUX, Henry A. Cruzando as fronteiras do discurso educacional: novas políticas em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. 298 p.

GOMES, Luiz Fernando. Inglês Instrumental para Comércio Exterior: proposta para um curso universitário. 1988. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem). Programa de Estudos Pós-graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1988.

HOLZMAN, Louis. Vygotsky at work and play. New York: Routledge, 2009. 168 p.

LEFFA, Vilson. Ilusão, aquisição ou participação. In: LIMA, Diógenes Cândido. Inglês em escola pública não funciona: uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, p. 15-32, 2011.

LEONTIEV, Alexei. Activity, consciousness and personality. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1977/ 2003.

LIBERALI, Fernanda Coelho. Atividade social nas aulas de língua estrangeira. São Paulo: Moderna, v. 01, 2009.

_______. Argumentação em contexto escolar. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013.

LIMA, Maria Socorro Lucena. Reflexões sobre o estágio supervisionado na formação de professores. Revista Diálogo Educacional, Curitiba-PR, v. 8, n. 23, p. 195-205, jan. abril 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã, Teses sobre Feuerbach. São Paulo: Centauro,1845-46/ 2006.

MINAYO. Maria Cecília de Souza. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes. 1993.

MORAN, Seana; JOHN-STEINER, Vera. Creativity in the Making: Vygotsky’s Contemporary Contribution to the Dialectic of Development and Creativity. In: SAWYER, R. K. JOHN-STEINER, V.; MORAN, S.; STERNBERG, R. J.; FELDMAN, D. H.; NAKAMURA, J.; CSIKSZENTMIHALYI, M. Creativity and Development. New York: Oxford University Press, 2003, p.61-89.

NETTO, João Paulo. O que é marxismo. Brasiliense, 2017.

NEWMAN, Fred; HOLZMAN, Louis. Lev Vygotsky: cientista revolucionário. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Edições Loyola, 1993/ 2002.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação: a Nova Retórica. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1958/2005.

PHILIPPOV, Renata; LIBERALI, Fernanda Coelho. A experiência com gestão da escrita do gênero resumo de obra literária na disciplina de literatura inglesa em currículo de letras: pensando a desencapsulação. In: PHILIPPOV, Renata; SCHETTINI, Rosemary Hohlwnwerger; SILVA, Kleber Aparecido. (Org.). Integrando e Desencapsulando Currículos do Ensino Superior, Campinas: Pontes Editores, 2015, p. 71-96.

SANCHEZ-VAZQUEZ, Adolfo. Filosofia da práxis. 2.ª ed. São Paulo: Expressão Popular, Brasil, 2011.

VENDRAMINI ZANELLA, Daniela Aparecida. Reprodução de orientações na constituição das atividades de formação docente em cadeia criativa”. In: LIBERALI, Fernanda Coelho; FUGA, Valdite Pereira. (Orgs.) Cadeia Criativa: teoria e prática em discussão. Campinas, SP: Pontes. pp. 187- 213, 2018.

____. Por uma formação crítico-criativa de alunas-professoras e professora-pesquisadora na graduação em Letras. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2013.

____ e LIBERALI, Fernanda Coelho. Brincar no hospital: uma produção criativa na formação de alunos-educadores. Linguagem & Ensino, Pelotas, Vol. 1, No. 14, 11. jan./jul. 2011.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1934/ 2001.

__________. Imaginação e Criação na Infância. Ana Luiza Smolka comenta. Tradução Zoia. Prestes. São Paulo: Editora Ática, 1930/ 2009.

Downloads

Publicado

2021-01-06