As dimensões do conhecimento agroecológico: a experiência dos agricultores familiares assentados em Viamão, RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.14685

Palavras-chave:

Construção de conhecimento. Agroecologia. Reforma agrária. Agricultura familiar.

Resumo

A agroecologia tem sido debatida em nível internacional como uma referência para a construção de sistemas alimentares mais sustentáveis, se tornando o foco de centros de pesquisa e agências de desenvolvimento. No entanto, é importante considerar que a transição agroecológica passa necessariamente por um processo de construção de conhecimentos por parte dos atores sociais que a protagonizam. Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir as dimensões do conhecimento agroecológico vivenciado pelos agricultores familiares vinculados ao Assentamento Filhos de Sepé em Viamão, RS. Os dados são fruto de uma pesquisa qualitativa e tem como referencial teórico-analítico abordagens relacionais do conhecimento que compreendem este como o resultado de um processo integral e dinâmico da interação dos seres no mundo. Através de observação participante, entrevistas e construção colaborativa de ilustrações pode-se identificar três dimensões pelas quais o conhecimento agroecológico dos agricultores tem sido construído: a lavoura, o corre e o habitar. Essas dimensões se interpõem e entrelaçam no cotidiano vivido pelos assentados, criando uma série de interfaces e contribuindo para que possam realizar suas atividades produtivas e reprodutivas. Os resultados demonstram um processo de conhecimento complexo, multidisciplinar e heterogêneo que emerge a partir de experiência prática de engajamento dos agricultores com o mundo, rompendo com dicotomias clássicas sobre a relação sociedade-natureza e a agricultura receituária. O contexto agrícola atual requer agricultores familiares multifacetados, em que as habilidades de manejo de cultivos são apenas uma entre as funções desempenhadas, fazendo com que diferentes aprendizados precisem ser desenvolvidos. A troca de saberes é altamente relevante, seja entre seus pares, técnicos, pesquisadores ou ainda os não humanos com quem interagem cotidianamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA. Construção do Conhecimento Agroecológico. Brasília: ABA, 2007.

BASSI, J.B.; COELHO DE SOUZA, G.& KUBO, R.R. Etnoecologia contemporânea e interdisciplinaridade: contribuições da antropologia ecológica de Tim Ingold. In: Anais do IV Encontro da Rede de Estudos Rurais: Mundo rural, políticas públicas, instituições e atores em reconhecimento político. Curitiba/PR: UFPR, 2010.

BERKES, F. “Sistemas Sociais, Sistemas Ecológicos e Direitos de Apropriação de Recursos Naturais”. In VIEIRA, P.F.; BERKES, F.; SEIXAS, C.S. Gestão Integrada e Participativa de Recursos Naturais: Conceitos, Métodos e Experiências. Florianópolis: Secco/APED, 2005.

BRACAGIOLI, A. Desenvolvimento e envolvimento da agricultura no sul do Brasil: abordagem crítica do processo de desenvolvimento. Encontro Nacional de Agroecologia. Anais. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2003. p. 33-35

CANUTO, J.C. Reflexões sobre o estado da arte do conhecimento agroecológico. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AGROECOLOGIA, 9., 2008, Porto Alegre. Palestra. Porto Alegre: Aba, 2008. p. 1 - 9. Disponível em: <http://www.cisguanabara.unicamp.br/redeAgroecologia/arquivos/biblAgroecologia/reflexoesestadodaarte.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2013.

CANUTO, João Carlos. Agroecologia: princípios e estratégias para o desenho de agroecossistemas sustentáveis. Redes (Santa Cruz do Sul. Online), Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 2, p. 137-151, abr. 2017. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/9351>. Acesso em: 28 nov. 2019.

CARMO, M.S. COMITRE, V.; FAGUNDES, G. TERMO DE REFERÊNCIA: AGROECOLOGIA E TRANSIÇÃO AGROECOLÓGICA. Campinas: Rede de Agroecologia da Unicamp, 2012. 13 p. Disponível em: <http://www.cisguanabara.unicamp.br/redeAgroecologia/arquivos/biblAgroecologia/termodereferencia.pdf>. Acesso em: 29 out. 2012.

CARON, P. et al. Food systems for sustainable development: proposals for a profound four-part transformation. Agronomy for Sustainable Development, v. 38, n. 41, p. 1-12, Aug. 2018.

COTRIM, D.S.; DAL SOGLIO, F.K.. Construção do Conhecimento Agroecológico: Problematizando a noção. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 11, n. 3, Sep. 2016. Disponível em: <http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/16772>. Acesso em: 28 nov. 2019.

DIEL, R. Gestão racional de recursos naturais de uso comum: recursos hídricos em produção de arroz irrigado no assentamento Filhos de Sepé – Viamão/RS. 2011. 84 f. Dissertação (Mestre) - Curso do Programa de Pós-graduação em Agroecossistemas, Departamento do Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

DIEGUES, Antônio Carlos. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: NUPAUB – Universidade de São Paulo, 1994.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 4. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GUTIÉRREZ, L.A.L. agroecologia e desenvolvimento de assentamentos de reforma agrária: ação coletiva e sistemas locais de conhecimento e inovação na Região Metropolitana de Porto Alegre. 2012. 407 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciências Humanas, Departamento decentro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

HARDIN, Garrett. The Tragedy of the Commons. Science, 162: 1243-1248, 1968.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Petrópolis – RJ: Vozes, 2000.

HIGH LEVEL PANEL OF EXPERTS ON FOOD SECURITY AND NUTRITION OF THE COMMITTEE ON WORLD FOOD SECURITY – HLPE Agroecological and other innovative approaches for sustainable agriculture and food systems that enhance food security and nutrition. Rome: HPE, 2019.

INFINDHA. Plano de Consolidação do Projeto de Assentamento Viamão. Porto Alegre, 2004.

INGOLD, T. The Perception of the Environment: Essays in Livelihood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 2000.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Relatório da II Pesquisa Nacional sobre a Educação na Reforma Agrária. Brasília: IPEA, 2015.

INTERNATIONAL PANEL OF EXPERTS ON SUSTAINABLE FOOD SYSTEMS - IPES-Food. From uniformity to diversity: a paradigm shift from industrial agriculture to diversifed agroecological systems. Brussels: IPES-Food, 2016.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MOLINA, M.G. Introduccion a la Agroecologia. Madrid: Sociedade Española de Agricultura Ecológica (SEAE), 2011.

NÓBREGA, T. P. Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estud. psicol., Natal, v. 13, n. 2, p. 141-148, Ago. 2008.

NOGAARD, R.B.. The Episteomology Basis of Agroecology. In: MIGUEL, Altieri. Agroecology: The Scientific Basis of Alternative Agriculture. Boulder: Westview Press, 1987.

PARANHOS, M.G. F.; SILVEIRA, L.M.; NOGUEIRA, F. A trajetória da Rede Ater Nordeste: construindo conhecimento agroecológico pelo Nordeste brasileiro. Construção do Conhecimento Agroecológico: Novos Papéis, Novas Identidades, Brasília, n. , p.58-70, jul. 2007.

PETERSEN, P. et al. A construção de uma ciência a serviço do campesinato. In: PETERSEN, P.; In: Construção do Conhecimento Agroecológico: Novos Papéis, Novas Identidades, Brasília: Articulação Nacional da Agroecologia, 2007.

PETERSEN, P. Agricultura familiar camponesa na construção do futuro. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2009.

PLOEG, J.D.. Sete teses sobre a agricultura camponesa. In: PETERSEN, P. Agricultura Familiar Camponesa Na Construção do Futuro, Rio de Janeiro: AS-PTA, 2009.

POLANYI, M. The tacit dimension. Garden City, NY, 1966.

PRIMAVESI, A. Agroecologia e manejo do solo. Agriculturas , v. 5; n. 3; set. 2008.

SABOURIN, E. Sociedades e organizações camponesas: uma leitura através da reciprocidade. Porto Alegre: UFRGS, 2011.

SANTILLI, Juliana. SOCIOAMBIENTALISMO E NOVOS DIREITOS:proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Peirópolis, 2005.

SEMA. Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí. Comitês De Gerenciamento De Bacia Hidrográfica, Porto Alegre, 27 set.. 2012. Disponível em: <http://www.sema.rs.gov.br/conteudo.asp?cod_menu=295>. Acesso em: 21 dez. 2012.

SEVILLA-GUZMÁN, E. A perspectiva sociológica em Agroecologia: uma sistematização de seus métodos e técnicas. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p.18-28, mar. 2002.

WEITZMAN, R. Construção participativa de um modelo de formação de educadores(as) comunitários(as) em segurança alimentar e nutricional e agricultura urbana. PETERSEN, P.; (org.) In: Construção do Conhecimento Agroecológico: Novos Papéis, Novas Identidades, Brasília: Articulação Nacional da Agroecologia. , p.196-217, jul. 2007.

WEZEL, A., BELLON, S., DORÉ, T. ; FRANCIS, C.; VALLOD, D.; DAVID, C. Agroecology as a science, a movement and a practice: a review. Agronomy for Sustainable Development. , v. 29, n. 503, p. 2-13, Dec. 2009.

Downloads

Publicado

2020-01-10

Como Citar

Preiss, P. V. (2020). As dimensões do conhecimento agroecológico: a experiência dos agricultores familiares assentados em Viamão, RS. Redes (St. Cruz Do Sul Online), 25(1), 104-134. https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.14685

Edição

Seção

Geração de Conhecimento e Inovação na Agricultura Familiar