Políticas culturais, indicadores e Comunicação Pública

Tiago Costa Martins, Maria Manuela Gomes de Azevedo Pinto, Armando Manuel Barreiros Malheiro da Silva

Resumo


A proposta do estudo é problematizar a produção e comunicação de informação pública e a configuração de indicadores culturais com vista ao desenvolvimento de instrumentos e novos formatos de disponibilização e interação nas práticas governamentais. O paper procura articular os conceitos de política cultural, indicadores culturais e Comunicação Pública e apresentar uma proposta de modelo interpretativo para a configuração de indicadores culturais a partir de um case study em Portugal. Conclusivamente, o estudo aponta que, através de práticas de Comunicação Pública, os indicadores são (i) reconhecidos enquanto ato comunicacional que (ii) potencializam as ferramentas de transparência e de prestação de contas sobre as práticas dos entes governamentais.

Palavras-chave


Prestação de contas. Gestão pública. Políticas públicas. Comunicação.

Referências


BOHNER, Louis. Indicators of Cultural Development within the European context. França: Unesco, 1979.

BRANDÃO, Elizabeth Pazito. Conceito de Comunicação Pública. In: DUARTE, Jorge. (org.). Comunicação Pública: Estado, Mercado, Sociedade e Interesse Público. São Paulo: Atlas, 2009. (p. 1 – 33).

BRASIL. Produto 4: Guia referencial para medição de desempenho e manual para construção de indicadores. Brasília: Secretaria de Gestão, Ministério do Planejamento, 2009.

CANCLINI, Néstor García. Definiciones en transición. In: MATO, Daniel Mato. Cultura, política y sociedad Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

CARRASCO-ARROYO, Salvador Carrasco. Indicadores culturales: una reflexión. Econcult, 1999. Disponível em: http://www.uv.es/carrascs/PDF/indicadoresCult.pdf. Acesso em: 14/5/2016.

COELHO, Vera Schattan Ruas Pereira. Abordagens qualitativas e quantitativas na avaliação de políticas públicas. In: SESC/CEBRAP. Métodos de pesquisa em Ciências Sociais: Bloco Quantitativo. São Paulo: Sesc/CEBRAP, 2016.

COSTA, António Firmino da. Políticas Culturais: conceitos e perspectivas. OBS – Revista do Observatório das Actividades Culturais, Lisboa, n. 02, p. 01-06, out., 1997.

DUARTE, Jorge. Instrumentos de Comunicação Pública. In: DUARTE, Jorge. (org.). Comunicação Pública: Estado, Mercado, Sociedade e Interesse Público. São Paulo: Atlas, 2009. (p. 59 – 71).

______. Comunicação Pública. In: SILVA, Luiz Martins da (Org.). Comunicação Pública: algumas abordagens. Brasília: Casa das Musas, 2010.

EUROPEAN STATISTICAL SYSTEM NETWORK ON CULTURE (ESSNET-CULTURE). Final report. Luxembourg: European commission, 2012.

FUKUDA PARR, Sakiko. En busca de indicadores de cultura y desarrollo: avances y propuestas. IN: UNESCO. Informe Mundial sobre la cultura 2000-2001. Paris: UNESCO, 2000.

Fundação Francisco Manuel dos Santos. A PORDATA. Disponível em: https://www.pordata.pt/Sobre+a+Pordata. Acesso em: 25 de fevereiro 2018.

______. Base de Dados Portugal Contemporâneo. Disponível em: https://www.pordata.pt. Acesso em: 25 de fevereiro 2018.

HELLMANN, Aline; et al. Desenvolvendo capacidade para monitorar e avaliar: o caso do SAGI/MDS. IN: MADEIRA, Lígia Mori (org.). Avaliação de Políticas Públicas. Porto Alegre: UFRGS/CEGOV, 2014.

Instituto Nacional de Estatística – INE. Institucional. Disponível em: https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_cont_inst&INST=53870&xlang=pt. Acesso em: 25 de fevereiro 2018.

______. Base de dados. Disponível em: https://www.ine.pt. Acesso em: 25 de fevereiro 2018.

JANNUZZI, Paulo de Martino. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. RAP Rio de Janeiro 36(1), p. 51-72, Jan./Fev. 2002.

______. Indicadores Sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. Campinas: Editora Alínea, 2017.

MATOS, Heloisa. Capital social e comunicação: interfaces e articulações. São Paulo: Summus, 2009.

MARTINELL, Alfons. Los agentes culturales ante los nuevos retos de la gestión cultural. Revista Ibero-americana de Educación. n. 20, p. 201-215, may/ago., 1999.

MARTINS, Tiago Costa. Indicadores Culturais: em busca de um mecanismo para o controle social das ações governamentais. Relatório final pesquisa pós-doutoramento. CIC.DIGITAL/FLUP. Porto, Portugal: Uporto, 2018.

MARTINS, Tiago Costa; PINTO, Maria Manuela. História, escolas e movimentos dos indicadores culturais. Políticas Culturais em Revista. Salvador, v. 12, n. 1, p. 329-359, jan./jun. 2019

RAMOS, Marília Patta; SCHABBACH, Letícia Maria. O estado da arte da avaliação de políticas públicas: conceituação e exemplos de avaliação no Brasil. Rev. Administração Pública, Rio de Janeiro, n.46, v. 5, p. 1271-294, set./out. 2012.

REIS, Paula Félix dos. Estado e Políticas Culturais. Anais do II Seminário Internacional Políticas Culturais. Fundação Casa Rui Barbosa, Rio de Janeiro, 2011, p. 1-17.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

SILVA, Armando Malheiro da. A informação: Da compreensão do fenómeno e construção do objecto científico. Porto: Edições Afrontamento, 2006.

TABER, Micaela. Indicadores culturales: qué, por qué y para qué medir. Sistema de Información cultural – SIC México, 2005. Disponível em: < https://sic.gob.mx/ficha.php?table=centrodoc&table_id=311&disciplina= >. Acesso em: 10 de mar. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v26i0.15769

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo